quinta-feira, 16 de novembro de 2017

O faraó Ramsés II




Realizou-se no passado dia 15 de novembro, no Anfiteatro IV
da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, uma sessão
dedicada ao faraó Ramsés II, integrada no curso livre organizado
pelo Centro de História da Faculdade de Letras de Lisboa
sobre «Grandes Comandantes do Mundo Antigo».

A sessão complementou a apresentação dedicada a Tutmés III,
inserida no mesmo curso, que foi feita no dia 18 de outubro, 
podendo assim os assistentes comparar a ação político-militar
desses dois grandes monarcas do Império Novo e compreender 
a presença egípcia na Síria-Palestina entre os movimentos
de expansão de Tutmés III e os de contenção de Ramsés II.

Nova viagem ao Egito



Decorrem já as inscrições para a próxima visita de estudo ao Egito,
em mais uma viagem preparada pelo Instituto Oriental da Faculdade
de Letras da Universidade de Lisboa, que irá decorrer na Páscoa
de 2018, levada a efeito pela agência de viagens Novas Fronteiras,
com a duração de catorze dias, de 28 de março a 10 de abril.

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

O faraó Tutmés III




Realizou-se no passado dia 18 de outubro, na Faculdade de Letras
 de Lisboa (Anfiteatro IV), uma sessão dedicada ao faraó Tutmés III,
inserida no curso sobre «Grandes Comandantes do Mundo Antigo»,
levado a efeito pelo Centro de História da Universidade de Lisboa.

Depois do rei espartano Leónidas e do famoso Alexandre Magno, 
e antecedendo dois ilustres e grandes generais romanos, Caio Mário
e Júlio César, foi evocado o notável reinado do faraó Tutmés III 
(c. 1479-1425 a. C.), apreciado na sua consagrada e apelativa
vertente de comandante heroico e de administrador lúcido.

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Um passado sempre presente



Decorreu em setembro e outubro um ciclo de conferências na Culturgest
subordinado ao tema «O antigo Egito: um passado sempre presente»,
com o auditório cheio de pessoas interessadas na aliciante temática,
a qual foi organizada em quatro sessões:

13 de setembro - A geografia e a história do antigo Egito
20 de setembro - Um mundo de afetos: erotismo no antigo Egito
27 de setembro - A arte egípcia: uma arte para a eternidade
4 de outubro - O Além egípcio: a invenção do paraíso 


sábado, 9 de setembro de 2017

Com as cortesias do Correio da Manhã...


Egito anuncia descoberta de túmulo com 3.500 anos em Luxor O túmulo situa-se na margem ocidental do rio Nilo num cemitério onde estão sepultados nobres e altos funcionários do Governo.

Ler mais em: http://www.cmjornal.pt/mundo/detalhe/20170909_1223_egito-anuncia-descoberta-de-tumulo-com-3500-anos-em-luxor?ref=HP_Outros
NOVO TÚMULO EM LUCSOR COM MAIS DE 3500 ANOS DE EXISTÊNCIA!



   Temos mais uma novidade do mundo da arqueologia egípcia! Na cidade de Lucsor, mais precisamente na afamada margem ocidental, onde se encontram os sepulcros de inúmeras personalidades do Antigo Egito - desde reis a trabalhadores - foi descoberto um novo túmulo, datado de 1500 a.C. aproximadamente, aparentemente de um ourives ou joalheiro régio que viveu algures durante a XVIII dinastia, no tempo do Império Novo.

   O túmulo, que contém as estátuas do proprietário e da sua esposa e uma máscara funerária, não se encontra nas melhores condições e está a ser escavado por arqueólogos egípcios. O governo está a apostar na divulgação deste e de outros achados recém-obtidos a fim de impulsionar o turismo que tem estado mais frágil em função da instável situação política, militar e social vivida no Egito desde a queda de Mubarak, seis anos antes.

   Quem deseja ler a notícia, é favor consultar o link que coloquei a seguir:
    
http://www.cmjornal.pt/mundo/detalhe/20170909_1223_egito-anuncia-descoberta-de-tumulo-com-3500-anos-em-luxor?ref=HP_Outros

Egito anuncia descoberta de túmulo com 3.500 anos em Luxor O túmulo situa-se na margem ocidental do rio Nilo num cemitério onde estão sepultados nobres e altos funcionários do Governo.

Ler mais em: http://www.cmjornal.pt/mundo/detalhe/20170909_1223_egito-anuncia-descoberta-de-tumulo-com-3500-anos-em-luxor?ref=HP_Outros
Egito anuncia descoberta de túmulo com 3.500 anos em Luxor O túmulo situa-se na margem ocidental do rio Nilo num cemitério onde estão sepultados nobres e altos funcionários do Governo.

Ler mais em: http://www.cmjornal.pt/mundo/detalhe/20170909_1223_egito-anuncia-descoberta-de-tumulo-com-3500-anos-em-luxor?ref=HP_Outro
O Egito anunciou este sábado a descoberta na cidade de Luxor (sul) de um túmulo da época faraónica de um ourives da realeza que viveu há mais de 3.500 anos durante o reinado da 18.ª dinastia. O túmulo situa-se na margem ocidental do rio Nilo num cemitério onde estão sepultados nobres e altos funcionários do Governo. O ministro das Antiguidades, Khaled el-Anany, disse que o túmulo, com as estátuas do ourives e da sua mulher, bem como com uma máscara funerária, está deteriorado. Adiantou que um poço existente na tumba continha múmias de egípcios que viveram durante a 21.ª e a 22.ª dinastias. O túmulo foi descoberto por arqueólogos egípcios e o anúncio foi planeado para impulsionar a indústria do turismo no Egito em lenta recuperação.

Ler mais em: http://www.cmjornal.pt/mundo/detalhe/20170909_1223_egito-anuncia-descoberthttp://www.cmjornal.pt/mundo/detalhe/20170909_1223_egito-anuncia-descoberta-de-tumulo-com-3500-anos-em-luxor?ref=HP_Outros

sábado, 19 de agosto de 2017

O tópico de hoje é segurança

Um curto e interessante vídeo sobre a questão da segurança numa era em que o terrorismo está na ordem do dia e em que a problemática da proteção às populações civis é um tema recorrente. Quem deseja ver este vídeo, é favor copiar o link abaixo na barra de pesquisa. Boas férias!

http://antigoegito.org/policia-no-antigo-egito/

terça-feira, 1 de agosto de 2017

옛날 이집트의 거대한 미스테리


O título em cima será surpreendente, mas trata-se da versão coreana
do título do livro Os Grandes Mistérios do Antigo Egito, publicado
pela editora A Esfera dos Livros no mês passado, e cujo lançamento
decorreu no Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, vendo-se
na imagem uma foto do livro numa mesa do Café Starbucks de Busan.

Dos exemplares que foram reservados pelo autor para várias ofertas,
três foram para o estrangeiro: um para a Suíça, para Maria João Freire
(uma apaixonada pelo Egito, onde esteve na visita de estudo de 2012),
um para a Embaixada de Portugal no Cairo, para a senhora embaixadora
Dra Madalena Fischer, e outro para mais longe, para a cidade de Busan, 
na Coreia do Sul, destinado a Kim Da-in, minha professora de coreano.

Então e não é que o exemplar do livro que foi para muito mais longe, 
para a distante Coreia do Sul, foi o que chegou primeiro?!

terça-feira, 18 de julho de 2017

Mais uma egiptóloga doutorada



Tiveram lugar no passado dia 4 de julho, na Sala de Atos da Faculdade
de Letras da Universidade de Lisboa, as provas de doutoramento 
de Ana Catarina de Almeida, que apresentou a sua tese intitulada
«Falhar a transição ou do morto excluído. A conceptualização 
de isefet nos Textos dos Sarcófagos do Império Médio».

A exitosa tese, que foi orientada pelos professores José Augusto
Ramos, da Universidade de Lisboa, e José das Candeias Sales, 
da Universidade Aberta, teve como arguentes os professores
Joanna Popielska, da Universidade de Pultusk (Polónia),
e Rogério Sousa, da Universidade de Coimbra.

O trabalho fundamentou-se na análise de passos dos «Textos 
dos Sarcófagos» onde isefet (o oposto de maet) era mencionada,
tendo a nova doutorada (que na imagem de cima vemos em foto
tirada em Jerusalém, na visita de estudo do Instituto Oriental 
da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa em 2009-2010)
estudado vários sarcófagos e outro equipamento funerário 
do Império Médio como o que se vê na segunda imagem.

Estrasburgo 10, rue du Général Rapp - Arq. Franz Scheyder (1905)


Via The World Art Nouveau

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Egito «misterioso»



Teve lugar no passado dia 12 de julho, no vistoso Salão Nobre 
do Museu Nacional de Arqueologia, o lançamento de um novo livro
sobre Os Grandes Mistérios do Antigo Egito, da Esfera dos Livros,
mostrando-se em cima o convite que adrede foi divulgado.

Na mesa estiveram o apresentador da obra, Doutor Telo Canhão,
egiptólogo e investigador do Centro de História da Faculdade
de Letras da Universidade de Lisboa, a Dra Rita Veiga, em nome
da Esfera dos Livros, o Dr. António Carvalho, diretor do Museu
Nacional de Arqueologia, e o autor do livro «misterioso».

Mais um egiptólogo doutorado



Esta interrupção na colaboração no blogue nos últimos dois meses
impediu que atempadamente tivesse sido noticiado o doutoramento 
do egiptólogo Paulo Carreira na Universidade de Lisboa, um evento
ocorrido em 15 de março, na Sala de Atos da Faculdade de Letras.

A tese apresentada tinha o título de «Iconotextualidade dos túmulos
de funcionários régios durante o período amarniano», tendo sido
orientada pelos professores José Augusto Ramos, da Universidade
de Lisboa, e José das Candeias Sales, da Universidade Aberta,
com arguição dos professores Rogério Sousa e Luís Araújo.

Foi pois na sua nova qualidade de doutorado que Paulo Carreira
integrou o grupo de viajantes que estiveram no Egito na Páscoa,
e aqui o vemos na segunda imagem, na primeira fila à esquerda,
numa foto obtida em frente ao pilone do templo de Lucsor.

domingo, 16 de julho de 2017

Professor Francolino Gonçalves



Só recentemente soubemos do triste falecimento do emérito biblista 
Professor Francolino Gonçalves, da École Biblique et Archéologique
Française de Jerusalém, onde era docente e seu vice-diretor, tendo
colaborado assiduamente, desde o ano letivo de 1988-1989, com o 
Instituto Oriental da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Aqui o recordamos com saudade como membro do júri das provas
de agregação do signatário em 2008, na Universidade de Lisboa,
estando ambos muito felizes e sorridentes na primeira imagem
vendo-se na segunda imagem, da esquerda para a direita: 

Professor Victor Gonçalves (Universidade de Lisboa)
Professor José Ribeiro Ferreira (Universidade de Coimbra)
Professor Josep Padró (Universidade de Barcelona)
Professora Inês Duarte (Universidade de Lisboa)
Professor A. Augusto Tavares (Universidade Nova de Lisboa)
Professor José Nunes Carreira (Universidade de Lisboa)
E em cima: Professor Vítor Serrão (Universidade de Lisboa)
Professor Francolino Gonçalves (E. B. A. F., Jerusalém)

Reencontro dos viajantes ao Egito


Depois de uma forçada ausência de dois meses por motivos familiares
aqui retornamos às publicações no blogue com uma imagem que recorda
o encontro dos participantes na visita de estudo ao Egito que decorreu
com sucesso nas férias da Páscoa de 2017, em catorze dias de viagem.

Cumprindo uma tradição que se vem repetindo desde o ano 2000, 
quando o Instituto Oriental da Faculdade de Letras da Universidade
de Lisboa iniciou o seu projeto anual de visitas de estudo ao Egito, 
os viajantes deste ano reuniram-se no dia 3 de junho, em Belém.

O programa do reencontro iniciou-se com a habitual visita
à interessante coleção egípcia do Museu Nacional de Arqueologia,
seguindo-se o opíparo almoço num restaurante da zona, e caminhando
entre o museu e o restaurante deu para uma fotografia de recordação
dos viajantes junto à imponente entrada da igreja dos Jerónimos.

sábado, 13 de maio de 2017

Viajantes animados



Eis um dos mais animados casais da recente visita de estudo ao Egito,
dando um toque internacionalista ao grupo: o amigo Alexandre Slopp,
com dupla nacionalidade americana e brasileira (nasceu no Brasil),
e sua esposa, Professora Annie Slopp, francesa, que bem se esforçou
para que o nosso guia Mustafa falasse um francês menos caótico.

Aqui estão eles durante a festa tradicional «egípcia» feita a bordo
do barco Royal Lilly, navegando em agradável cruzeiro no rio Nilo 
rumo a Assuão, com um requintado jantar típico seguido por danças 
mais ou menos movimentadas ao som da música de um grupo núbio.

Maravilhas tecnológicas no Egito



Durante a recente visita de estudo ao Egito alguns viajantes exibiram
os seus telemóveis de modelos novos, mostrando as potencialidades
dessas maravilhas tecnológicas de última geração, onde iam ficando
registadas as melhores imagens de uma viagem inesquecível.

Na foto de cima o viajante Alfredo Ribeiro capta para a memória
fotográfica a sua imagem mais a de sua esposa Cecília e o egiptólogo
guia da visita, na esplanada de acesso à mesquita de Mohammed Ali,
e na foto de baixo lá está ele a mostrar os inesgotáveis recursos 
da sua máquina ao egiptólogo e ao almirante médico João Cordeiro, 
que mais parecem beduínos maravilhados com a tecnologia digital.

terça-feira, 9 de maio de 2017

O gato egípcio no Porto


Com o Salão Nobre da Reitoria da Universidade do Porto quase cheio,
decorreu no passado sábado uma sessão dedicada à presença do gato 
na arte egípcia, sendo evidenciados os vários aspetos iconográficos
e os testemunhos relacionados com a ação profilática do gato de Ré
combatendo a maléfica serpente Apopis (no «Livro dos Mortos»).

Os guias da viagem ao Egito




A exemplo das anteriores visitas de estudo ao Egito, os viajantes de 2017
foram acompanhados e assistidos por três guias durante toda a viagem:
o guia local egípcio Mustafa El-Ashabi, a guia Teresa Neves, da Tryvel,
e o egiptólogo Luís Araújo, do Instituto Oriental da Faculdade de Letras 
da Universidade de Lisboa.

domingo, 7 de maio de 2017

A família Cadete no Egito




Imagens que atestam a recente presença da família Cadete no Egito
durante a inesquecível visita de estudo realizada nas férias da Páscoa,
vendo-se na primeira foto o comandante Pedro Cadete e a esposa Isabel,
e nas outras o filho Miguel e a filha Inês com o egiptólogo, em ambiente
carnavalesco, na festa egípcia por ocasião do cruzeiro no rio Nilo.

sexta-feira, 5 de maio de 2017

De novo no Museu da Farmácia


No passado dia 29 de abril, realizou-se na Associação Nacional
das Farmácias a Assembleia-geral da Federação de Amigos
dos Museus de Portugal, onde foram apreciados o relatório
de atividades e as contas da direção cessante e eleitos 
os órgãos sociais para o quadriénio de 2017-2021.

Antes do início da sessão foi guardado um minuto de silêncio
em memória de Adília Antunes (Lita), membro da direção
do Grupo de Amigos do Museu Nacional de Arqueologia
e secretária da direção do Museu Nacional de Arqueologia,
onde a sua lamentável ausência se fará certamente sentir.

Tendo como generoso e atento anfitrião o Dr. João Neto,
diretor do Museu da Farmácia, a Assembleia-geral da FAMP
culminou com um agradável almoço, seguindo-se uma visita
às variadas e ricas coleções temáticas do Museu, começando
pelo muito interessante acervo de antiguidades egípcias.

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Palestra felina no Porto


Realiza-se no próximo dia 6 de maio, sábado, uma visita de estudo
à coleção egípcia que está na Reitoria da Universidade do Porto,
integrada nos acervos do Museu de História Natural e da Ciência
da Universidade do Porto, e que foi oferecida pelo governo alemão
em 1925, tendo chegado à cidade do Porto em 1926.

Esta viagem, organizada pelo Instituto Oriental da Faculdade de Letras
 da Universidade de Lisboa, já se tornou habitual, desde a primeira,
em 2011, por ocasião da abertura da nova sala de antiguidades egípcias
no belo edifício da Reitoria da Universidade do Porto, no âmbito
das comemorações do centenário da Universidade do Porto.

Vai cheio o autocarro, que partirá da Faculdade de Letras de Lisboa,
proporcionando aos alunos viajantes a visita ao acervo portuense
e à participação na palestra prevista para este ano, no Salão Nobre
da Reitoria, com o tema «Miau: a presença do gato na arte egípcia».

terça-feira, 2 de maio de 2017

Professor J. Carreira das Neves



Faleceu o Professor Joaquim Carreira das Neves, padre franciscano
e professor jubilado da Universidade Católica, reputado especialista 
de estudos bíblicos e autor de vários livros sobre esta temática.

Aqui se recorda o docente universitário, o biblista e humanista que foi
durante uma longa e frutuosa carreira de investigador e académico,
especialmente por ter participado como membro do juri nas provas
de doutoramento do signatário na Universidade de Lisboa em 1998.

Na segunda foto estão os membros do juri: 
Professor António Dias Farinha (Universidade de Lisboa)
Professor Joaquim Carreira das Neves (Universidade Católica)
Professor José Nunes Carreira (Universidade de Lisboa)
Professor Manuel Vilaverde Cabral (Universidade de Lisboa)
Professor Josep Padró (Universidade de Barcelona)
Professor Geraldo Coelho Dias (Universidade do Porto)
Professor José Augusto Ramos (Universidade de Lisboa)

terça-feira, 25 de abril de 2017

Novo curso do Centro de História


Brevemente irá começar mais um curso livre do Centro de História
da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, que será o V curso
sobre «A Vida no Antigo Egipto», com o tema «Momentos e etapas», 
estando desde já a decorrer as inscrições para a sua frequência.

As sessões do curso terão lugar às quartas-feiras, das 18 às 20 horas,  
no Anfiteatro IV da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 
abrindo no próximo dia 3 de maio com «Educação e aprendizagem»,
antecedendo a «Concepção, nascimento e infância» (Telo Canhão),
«Doenças, medicina e magia» (José das Candeias Sales),
«O recrutamento militar» (José Varandas e Eduardo Ferreira)
e «O enterro» (Rogério Sousa).

Regresso do Egito



Terminou com sucesso mais uma visita de estudo ao Egito, concebida
 pelo Instituto Oriental da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa
e levada a efeito, com grande profissionalismo, pela Tryvel (Tryart),
entre os dias 5 e 18 de abril, aproveitando as férias da Páscoa.

A segunda imagem foi obtida junto do templo de Kertassi, em Kalabcha,
o último local histórico visitado pelo grupo, na véspera do regresso
ao Cairo, e daqui para Lisboa, depois de catorze dias de viagem
pelo Egito, das pirâmides de Sakara, Guiza e Dahchur até à Núbia.

E na Páscoa de 2018 regressaremos ao Egito!

sábado, 18 de março de 2017

Será de Psametek I, a estátua encontrada?


  
   
   Esta notícia da descoberta de uma colossal estátua na zona de Heliópolis, atualmente um subúrbio da moderna capital egípcia do Cairo, vem agora a lume com a atualização de que será possivelmente de Psametek I (suspeitava-se inicialmente ser de Ramsés II). Fragmentada em grandes blocos, tem 8 metros de altura, feita de quartzito, com inscrições que apontam como sendo desse rei saíta,  tendo sido removida a cabeça e o torso para o Museu do Cairo.


   Psametek I, 1º faraó da XXVI dinastia, designada de Saíta, oriunda da cidade de Sais, no Delta do rio Nilo, reunifica o Egito c. de 654 a.C., arrancando e esforçando-se por manter a independência face aos Assírios e Babilónios, numa era de declínio para a velha civilização do Nilo.
   O seu reinado é longo e próspero - os contatos comerciais com a Grécia demonstram-no - abrindo o Egito a um fenómeno de mediterranização e simultaneamente redescobrindo os valores antigos, o que se refletirá no "renascimento saíta" das artes e da cultura: daí os cultos aos animais sagrados como o boi Ápis e a deusa-gata Bastet, que resultam em túmulos coletivos de animais sagrados - caso do Serapeum ou do Bubasteum.

Quem quiser ver um pouco sobre esta descoberta, veja o link abaixo:


https://www.youtube.com/watch?v=FpEUkk5ESfc

Para quem não sabe ou não se recorda...está um pouco de Tutankhamon entre nós!






Lisboa recebe exposição do túmulo de Tutankhamon…



    "O britânico Howard Carter e a sua equipa descobriram o túmulo — praticamente intacto, que estava ali há mais de mil anos antes de Cristo — em 1922, cheio de artefatos preciosos. Os rumores de uma maldição surgiram depois da morte de dez membros da expedição até ao final dos anos 20.

    Esta exposição, que vai ser inaugurada no Pavilhão de Portugal, no Parque das Nações, este sábado, 21 de janeiro, vai ter uma recriação à escala real do túmulo de Tutankhamon. Além disso, terá mais de 100 réplicas oficiais das peças encontradas no local, divididas por três salas. Entre elas encontram-se um trono feito de ouro, estátuas e vários vasos de alabastro.

    As peças reais estão no Museu Egípcio, no Cairo, a capital do país do Norte de África — apesar de regularmente serem expostas no estrangeiro. Além da recriação daquilo que Howard Carter e os arqueólogos encontraram, os visitantes vão poder assistir a um documentário sobre a expedição e ver fotografias tiradas na altura.

   “Tutankhamon — Tesouros do Egito” fica no Pavilhão de Portugal até 1 de maio. O horário durante a semana é das 10 às 18 horas, exceto aos fins de semana, em que encerra às 20 horas. Este último horário também é válido para os dias de semana entre 27 de fevereiro a 24 de abril.

    Os bilhetes variam entre os 8€ e os 11€ e também existe um pack familar que permite que dois adultos e três crianças (até aos 11 anos, inclusive) visitem a exposição por 30€."

 Fonte: http://nit.pt/coolt/teatro-e-exposicoes/lisboa-recebe-exposicao-do-tumulo-de-tutankamon

terça-feira, 14 de março de 2017

Mitos e Lendas do Antigo Egito


Aqui está a capa, com a respetiva lombada, de um livro
dedicado aos mitos e lendas do antigo Egito, com saída prevista
para finais de abril ou maio, numa reedição da Clássica Editora,
renovando um anterior projeto iniciado pela Centralivros.

domingo, 12 de março de 2017

De novo em Coimbra




Renovando uma colaboração encetada no ano letivo passado, 
realizou-se recentemente uma sessão na Faculdade de Letras 
da Universidade de Coimbra sobre a religião do antigo Egito,
estando no anfiteatro da Faculdade cerca de cem pessoas.

O amável convite partiu do Professor João Gouveia Monteiro
e da Professora Rosário Morujão, presentes na terceira imagem,
proporcionando desta forma mais uma frutuosa colaboração 
entre a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa
e a Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

Há um mês, a Síria num livro


Foi há um mês que ocorreu o lançamento do livro sobre a Síria,
numa sessão que teve lugar no Salão Nobre do Museu Nacional
de Arqueologia, vendo-se na imagem o Doutor Jorge Sampaio,
enquanto fala o diretor do Museu, Dr. António Carvalho.

Apesar da fraca qualidade da foto, serve para recordar o evento
e para anunciar que o livro já se encontra disponível nas livrarias,
sendo ainda de sublinhar que os direitos de autor se destinam 
aos alunos universitários sírios que estudam em Portugal.